Gernaide Cezar
Palavras Plásticas
Capa Textos Fotos Perfil Livro de Visitas Contato
Textos
De um ponto qualquer

Tudo veio na indiferença
As lágrimas escorriam no rosto
De um ponto distante
Que decalcava na luz a sombra da lua
No espaço que só pontuava versos
Tudo acontecia nas entrelinhas
Quando o tempo  interagia
Na passagem das flores brancas
Debruçada entre o coração
E a linha da vida
Passando pela vastidão
Do vazio às cegas
Como se fosse abrindo
Todas as portas das lembranças
E na tranquilidade 
À noite caminhava em silêncio
Quando surgia o vinho da noite
Que brotava toda angústia em pauta
Cobrindo de dourado o horizonte 
Que perpassa e agasalha
Um sonho partido em várias ausências


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. 
 



 
Gernaide Cezar
Enviado por Gernaide Cezar em 11/12/2019
Alterado em 20/12/2019
Comentários