Gernaide Cezar
Palavras Plásticas
Capa Textos Fotos Perfil Livro de Visitas Contato
Textos
Lá em baixo vejo o canto da vida
Uma margem abstrata em queda
Definida num diálogo em versos
Como o vazio contido na forma

Surge uma paisagem remota e aberta
Na trilha vejo uma neblina trêmula
Como uma curva desligada do tempo
Que no vício mancha o olhar

Vejo o exílio onde a lágrima fica
Para afastar-se do frio da noite
Que umedece o colo do tempo
E desdobra o contido no orvalho

Já nem sei o que fazer  agora
Estou aqui e amanhã estarei posta
Lá na janela que entra 
Na sombra onde morre à tarde
Deixando o caminho livre
No silêncio que acalma e se espalha.

 
Gernaide Cezar
Enviado por Gernaide Cezar em 07/07/2021
Copyright © 2021. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários